top of page

A.P Oliver lança 'Vampiro Gênesis' pela editora Flyve

Obra de suspense sobrenatural é voltada ao público infantojuvenil e tem como plano de fundo à Segunda Guerra Mundial. Veja a entrevista completa com o autor.


O escritor e educador A.P Oliver está lançando o livro 'Vampiro Gênesis', que será publicado pelo selo Voe da editora Flyve.


O livro foi escrito sob a ótica de dois tempos distintos: o contemporâneo, de 2018, e o passado, durante a Segunda Guerra Mundial. Integra o grupo de livros modernos sobre vampiros.


A.P Oliver nasceu em Fortaleza, Ceará, em 1978. Além de escritor, é também educador e tem mais de vinte anos de experiência em sala de aula.


Sua vivência com o público infantojuvenil, somado a sua paixão pela leitura e escrita, o levaram a ideia inicial de Vampiro Gênesis.


Oliver usa, em seu trabalho como educador, a técnica de contação de histórias, para incentivar e exercer a imaginação de seus alunos.


Ele acredita que a criatividade é como um músculo "quanto mais você exercita, mais ela vai fluindo" afirma.


Entre suas influências, está o escritor norte-americano Stephen King e também a escritora britânica Agatha Christie.


Vampiro Gênesis está em pré-venda no site da editora Flyve, e o lançamento está previsto para janeiro de 2023.


Entrevista com A.P Oliver


1. Oliver, Vampiro Gênesis é uma obra de suspense sobrenatural voltada ao público infantojuvenil. Atualmente está em pré-venda pela editora Flyve. Você poderia nos contar um pouco mais sobre a história?


É verdade... Vampiro Gênesis é uma história que foi concebida em 2017. Na verdade, a ideia dela veio em 2017 e, engraçado porque ela veio numa junção de três coisas, a história me veio completa e veio na junção de três coisas.


A primeira eu não posso falar logo porque se não acabaria sendo um spoiler. Mas foi em uma conversa com a minha esposa, sobre uma determinada notícia.


Nós estávamos fazendo ali uma reflexão sobre aquela notícia e aquela reflexão ficou ali ruminando na minha cabeça, e...


Coincidentemente nesse período, eu estava lendo um livro com a temática de vampiros — mas aquele vampiro clássico, aquele vampiro mais conhecido, aquele estilo de vampiro mais conhecido — e também estava assistindo uma série documental sobre a Segunda Guerra Mundial.


Então, dias depois, essas três coisas acabaram convergindo na minha cabeça e montando toda essa história.


Então acaba que originou um enredo — pelo feedback que eu tenho recebido — bastante dinâmico, bastante original, em relação a isso...


A essa temática de ter vampiros que não são tão comuns como aquela imagem já acostumada de vampiros, com esse diferencial de estar usando a Segunda Guerra Mundial como plano de fundo em muitos momentos. Então isso acaba dando esse clima diferenciado, sem falar que é uma história que se passa em duas linhas temporais.


Ela se passa no presente de 2018 e no passado da segunda guerra mundial. E essas duas situações elas vão se desencadeando e criando uma interconexão entre elas, que é o que vai garantindo ao leitor essa dinâmica na leitura.


2. Você é pedagogo, tem MBA e mestrado em educação e trabalha há mais de vinte anos nessa área. Quanto dessa experiência você acha que está inserida em Vampiro Gênesis?


Pois é, Vladimir... Eu diria que, antes de tudo, a principal influência é o fato de ser um leitor apaixonado, não é? Desde sempre, desde muito jovem, já um leitor apaixonado.


Eu até acredito que eu me tornei pedagogo também por conta desse aspecto apaixonado de leitura, por literatura e tudo mais.


Mas, sem dúvida nenhuma, essa experiência em trabalhar há tantos anos com a educação e trabalhar com o público infantojuvenil, é.. Isso tem um impacto muito grande.


Porque, como pedagogo — a faixa de crianças com que eu trabalho é exatamente essa — e uma das missões mais importantes é fazer com que a criança, ela seja instigada a ler, a conhecer histórias, e muitas vezes — o pedagogo, o professor, o educador — ele precisa usar das estratégias pra poder encantar a criança.


E, nessas estratégias, a contação de histórias, ela é uma das mais usadas. E na contação de histórias, você por vezes, cria histórias, você cria situações, você tem que bolar algo diferenciado pra que o aluno, para que a criança, possa se cativar por aquilo que você está falando, por aquilo que você está expondo.


Seja apresentando um livro, seja apresentando uma matéria, um assunto, seja o que for... Então essa prática da contação de histórias, de criar um universo mais encantado, mais mirabolante... Isso sem dúvida nenhuma, faz com que você acabe exercitando a criatividade.


Eu costumo brincar dizendo que a criatividade é como um músculo: quanto mais você exercita, mais ela vai fluindo, mais ela vai dando respostas, eu acredito nisso.


Então, sem dúvida nenhuma, essa vivência na educação, com essas estratégias de contação de histórias, de escrita junto com os alunos, escrita colaborativa, junto com os alunos...


Tudo isso, acaba impactando demais para esse meu momento de autor, de escritor.


3. Você acredita na existência do sobrenatural?


(Risos)


Adorei a pergunta, Vladimir...


(Risos)


Adorei a pergunta... Bom, eu acredito sim que existem coisas que nós não conseguimos explicar, não é? A gente pode chamar de sobrenatural exatamente porque são coisas que estão acima do que nos é natural.


Então, partindo desta premissa, sim. Eu acredito no sobrenatural, eu acredito no que Shakespeare disse: entre os céus e a Terra existem mais mistérios do que a vã filosofia pode compreender, explicar, enfim...


Então sim, eu acredito no sobrenatural. Não necessariamente em vampiros centenários, de certa maneira. Mas eu acredito sim nas coisas sobrenaturais.


(Risos)


4. O que você espera que os leitores sintam ao ler Vampiro Gênesis?


Olha, Vladimir, eu espero muito que os leitores, eles possam sentir o que eu senti enquanto escrevia. Que de certa forma é um reflexo do meu eu leitor.


O meu eu escritor acaba sendo um reflexo do meu eu leitor.


Eu enquanto leitor, gosto de uma trama dinâmica, de uma trama que não seja cansativa, que ela faça a pessoa terminar o capítulo com pena de fechar o livro, querendo continuar, não é?


Eu adoro quando eu tenho esse tipo de experiência, e foi isso que eu busquei fazer enquanto eu escrevia a história.


Por isso, todos os elementos para que a história se torne dinâmica, eu tentei incorporar enquanto escrevia... Os capítulos são curtos, os capítulos eles são alternados...


Então, a todo momento você está vivenciando um aspecto da história, e assim, o feedback que eu tenho recebido de quem tem lido, de quem fez a leitura, comprova isso, garante e comprova que eu consegui o meu intento.


Graças a Deus eu consegui o meu intento, que é fazer com que a história seja um gancho puxando para o capítulo seguinte, puxando para o capítulo seguinte...


Eu tenho tido relatos, por exemplo, de leitores que terminaram de ler o livro em dois dias, três dias. E que me relatam que, praticamente, não conseguiam largar o livro.


Então, isso é, pra mim, a chancela de que eu consegui o meu intento.


5. Você já está trabalhando na continuação da trilogia?


Sim, na verdade, como eu disse na primeira resposta, quando a história ela surgiu pra mim, em 2017, eu comecei a trabalhar nela, escrevendo mesmo em 2018, e aí, consegui dar o sprint...


Com a pandemia, ficando naquele sistema de clausura em casa, consegui avançar a escrita.


Mas a história ela já está toda na minha cabeça, que inclusive é uma grande vantagem, porque eu já sei pra onde estou caminhando, não é?


Eu já sei pra onde a história tem que ir.


A minha intenção, inicialmente, era escrever um volume único, e era assim que eu estava pretendendo fazer.


Mas nos primeiros contatos que eu tive com editoras, eles me orientaram que não seria comercialmente viável ter um calhamaço para um autor iniciante.


Então por isso eu tive que fazer a história segmentada, assim, uma trilogia, mas a ideia era fazer um volume único, aquele calhamaço grande, volume único...


Então a história já está toda completa, não é? Assim, escrita, posta no papel virtual... o dois, ele já está praticamente finalizado.


A minha ideia, antes da Flyve, era lançar agora em dezembro. Como apareceu essa parceria com a Flyve, eu tive que repensar os prazos, então eu creio, eu acho assim, pela minha vontade, pela minha previsão, que até março, essa continuação já esteja saindo e espero que também pela Flyve.


6. Quais são as suas principais influências no meio literário?


Bom, eu leio de tudo, Vladimir. Eu sou realmente um leitor bem amplo nessa questão. Eu não me restrinjo demais não. Eu adoro todos os gêneros.


Mas sem dúvida nenhuma, o gênero de suspense, é... os thrillers, eles são minha preferência. Então, nesse sentido, Stephen King é o grande farol.


Stephen King acaba sendo o grande farol pra onde eu sempre olho, onde eu sempre me inspiro e... mas também tem muita coisa de Agatha Christie, muita coisa de outros autores...


Mas, em se tratando desse nicho que eu gosto de produzir, Stephen King, sem dúvida nenhuma, é o farol.


7. Tem alguma consideração final? Algo que você gostaria de dizer?


Acho que, o que eu gostaria de acrescentar é o que sempre tenho dito, Vladimir, pra todas as pessoas que me abordam, quando eu faço minhas interações nas redes, fazendo a divulgação do livro, principalmente...


Eu digo que, o autor ele não quer ser famoso, ele quer ser lido. E ele só precisa de uma chance de ser lido. E o que eu tenho a cada dia me esmerado em conseguir, a chance de ser lido.


Então, o que eu tenho a considerar é que a todo e qualquer pessoa que tenha tido a curiosidade despertada pra ler essa obra, pra ler essa história, eu agradeço, já, o fato de ser considerado...


Mas, se puder ser lido, eu agradeço demais essa chance. Eu acho que é só o que o autor precisa. O grande prazer do autor é ver a sua história sendo lida, sendo conhecida.


O universo que existia só na cabeça dele, tocando e chegando em outras pessoas, isso é a grande realização do autor.


Então é só isso que eu faço, a consideração que eu faço é essa. O autor ele quer ser lido, ele quer ter o prazer de ser lido e só precisa de uma chance. É isso.

 

Entrevista realizada em 05/11/2022*

 

Quer receber mais entrevistas como essa direto no seu e-mail? Assine a nossa Newsletter!

Siga a gente no nosso instagram: @livrosparasemprelps

2 comentarios


Gostaria de agradecer à equipe do Livros Para Sempre por essa honra de poder figurar aqui, nas entrevistas do site. Obrigado ao Vladimir, por ter conduzido a entrevista de forma leve e, assim, deixado-me à vontade. O apoio de vocês é muito significativo e importante para a obra, para o autor e para a literatura nacional. Um beijo no coração de todos que fazem parte da equipe mais Bookaholic do mundo!! 🙏🙏

Me gusta
Contestando a

Nós é que temos que agradecer pela confiança. Abração! Sucesso na sua carreira! :)

Me gusta
bottom of page